Faça parte da nossa lista de e-mails e nunca perca as novidades do nosso site.

COLOCAÇÃO DE BRINCOS EM BEBÊS

Você está aqui: Serviços para você > Procedimentos Técnicos > Colocação de brincos em bebês
Brinquinho12.jpg

PROCEDIMENTOS TÉCNICOS: Colocação de brincos em bebês.
 
    1. INDICAÇÃO

Indicado a Pais e Mães que tem o interesse de realizar o primeiro furo na orelha do seu bebê para o uso de brincos.


 
    2. OBJETIVOS

Perfurar o lóbulo auricular de bebês para colocação de brincos conforme os critérios de segurança definidos na Resolução da Diretoria Colegiada da ANVISA nº 44, de 17 de agosto de 2009.


 
    3. PROCEDIMENTOS REALIZADOS

Envolve o procedimento de técnicas de antissepsia e assepsia, aplicação de creme anestésico, marcação do ponto auricular de perfuração, aplicação do brinco e todas as orientações relacionadas aos cuidados, higiene e limpeza. O atendimento ao bebê é realizado com equipamentos de proteção individual garantindo total segurança em todas as etapas do procedimento.

4. FAQ - QUESTIONÁRIO DE PERGUNTAS FREQUENTES

Quais os profissionais habilitados para perfuração de lóbulo auricular e colocação de brincos em bebês?


Médicos, Enfermeiros e Farmacêuticos.




Qual a idade ideal para a colocação de brincos em bebês?


De dois a três meses. O ideal é fazer o procedimento após o bebê já ter tomado a primeira dose da vacina tríplice bacteriana aos dois meses, período que o sistema imunológico está mais fortalecido.




Existe alguma contraindicação para colocação de brincos em bebês?


Sim. Não é recomendado a perfuração do lóbulo de bebês com quadro de febre. Bebês com problemas de coagulação é necessário que você entre em contato com o seu Pediatra para autorização do procedimento.




É utilizado algum aparelho ou dispositivo para colocação de brincos?


Sim. Hoje em dia existem dispositivos próprios para aplicação de brincos em bebês. O dispositivo é silencioso e muito preciso, são dispositivos confeccionados com o objetivo de atender as necessidades dos recém-nascidos.




Posso utilizar uma joia que eu ganhei para a perfuração da orelhinha do bebê?


Não. Existem brincos próprios e específicos para os dispositivos utilizados na perfuração de orelha. São brincos hipoalérgicos que saem de fábrica lacrado, dentro de um cartucho previamente esterilizado e que só será aberto no momento da aplicação. A legislação atual exige que tanto os brincos quanto o dispositivo de aplicação precisam ter registro na ANVISA que permita caso seja necessário, ser rastreado pelo número do lote e dados do fabricante. Brincos que não cumprem essas normas sanitárias não podem ser utilizados na perfuração de lóbulo auricular.




O furo na orelha do bebê pode ser realizado em outras regiões da orelha além do lóbulo?


Não. A legislação autoriza somente a perfuração e colocação de brincos no lóbulo auricular.




Posso trocar o brinco da minha bebê após a perfuração?


Não. É necessário esperar a completa cicatrização. A recomendação é aguardar pelo menos 30 dias após a perfuração para realizar a troca do brinco.




É utilizado algum tipo de anestésico para proporcionar mais conforto ao bebê?


Sim. A aplicação é feita com pomada anestésica permitindo assim mais conforto ao bebê.




Eu recebo algum documento que comprova a prestação do serviço?


Sim. Você receberá uma declaração de serviços prestados constando informações do procedimento realizado com o registro dos acessórios utilizados, número do lote, validade, CNPJ do fabricante e o número de registro na ANVISA tanto do brinco quanto do dispositivo utilizado.




Qual o tipo de brinco utilizado no procedimento?


O brinco utilizado é da linha Baby System 75 da empresa Studex, considerada uma das maiores empresas do gênero com representação em 37 Países. O brinco e o dispositivo de aplicação utilizado são importados por empresa representante da marca aqui no Brasil e registrados na ANVISA.




O uso de brincos pode oferecer algum tipo de risco para o desenvolvimento do bebê?


Não. Até o momento não existem evidências que comprovem que furar o lóbulo auricular do bebê pode interferir ou comprometer o seu desenvolvimento. O importante é realizar o procedimento dentro das boas práticas farmacêuticas, com técnicas corretas de antissepsia e assepsia no intuito de evitar complicações como infecção local ou reações alérgicas. Em caso de dúvida consulte o seu Pediatra.