Faça parte da nossa lista de e-mails e nunca perca as novidades do nosso site.

Please reload

ACUPUNTURA

Você está aqui: Para Farmacêutico > As Práticas Integrativas > Acupuntura
Imagem meramente ilustrativa

ACIDENTES E REAÇÕES INDESEJÁVEIS

 

   Ressaltam-se abaixo alguns pontos a serem observados que podem prevenir acidentes e reações indesejáveis.

 

Qualidade das agulhas
   Devem ter registros no Ministério da Saúde.

 

Posição do paciente
   O paciente deve ser acomodado de forma confortável e orientado a permanecer quieto e a evitar mudança de posição abruptamente.

 

Desmaios
   Deve-se ter cuidado com pontos de Acupuntura que causam hipotensão, por exemplo – F3 (Taichong).

 

Convulsões
   O paciente deve ser questionado quanto a história pregressa de convulsão e, em caso afirmativo, observar rigorosamente as reações do paciente durante o tratamento. Caso ocorram convulsões, as agulhas devem ser imediatamente retiradas e os procedimentos necessários deverão ser adotados.

 

Dor
   O tratamento com Acupuntura normalmente é indolor quando há penetração rápida e habilidosa da agulha, porém a dor poderá ocorrer nas situações abaixo relacionadas.
- Durante a penetração da agulha: a dor poderá ocorrer devido a técnica não apropriada ou se a ponta da agulha for grossa, curva ou “cega”. Também poderá ocorrer em paciente com sensibilidade aumentada.
- Depois da inserção: quando a agulha penetra profundamente e atinge um receptor de fibra nervosa. Nesta situação, a agulha deve ser superficializada e aprofundada em outra direção.
- Após a retirada da agulha: ocorre devido à estimulação excessiva ou à manipulação desajeitada. Para casos suaves, pressionar o local; para casos graves, realizar a moxabustão, além da pressão.

 

Agulha presa ou retida
   Poderá ocorrer por um espasmo muscular. Neste caso, a agulha deve ser deixada por algum tempo e depois retirada por rotação ou massagear em torno do ponto.
Se a causa é a rotação excessiva numa só direção a dor vai ser aliviada quando for feita uma rotação em sentido inverso.

 

Agulha quebrada
   Poderá ocorrer devido à má qualidade da agulha, forte espasmo muscular, pela erosão entre a lâmina e o cabo, movimento brusco do paciente ou utilização prolongada de corrente galvânica.

   É prudente não penetrar mais da metade da lâmina da agulha, devido à junção entre o cabo e a lâmina ser a parte mais frágil da agulha, podendo ocorrer quebra nesta área.

   Em caso de quebra da agulha, manter o paciente calmo, orientando-o para que não se mova, a fim de evitar que a agulha penetre mais nos tecidos. Se, parte da agulha quebrada estiver visível, pressionar em torno do local para que seja possível a sua retirada com auxílio de uma pinça. Não sendo possível, uma intervenção cirúrgica pode ser necessária.

 

Infecção local
   O rigor quanto às técnicas assépticas deve ser respeitado, pois previnem infecção local.

 

Queimadura durante a Moxabustão
   Deve ser prevenida com a moxabustão indireta.

 

Estimulação elétrica e terapia a laser
   Está contraindicada em casos de: gravidez, perda de sensibilidade cutânea, paciente com marca-passo, casos de deficiência circulatória, doenças arteriais graves, febre sem diagnóstico e lesões de pele profundas e extensas.


   Um monitoramento cuidadoso de estimulação elétrica é recomendado para a prevenção da injúria nervosa; a corrente galvânica deve ser utilizada por um breve período de tempo.
Na terapia a laser, tanto o paciente quanto o operador devem estar usando óculos protetores, para evitar que ocorram danos aos olhos.

 

Áreas que não devem ser perfuradas
   Fontanelas em bebês, genitália externa, mamilos, umbigo e globo ocular.

Fonte
Cartilha Acupuntura do Conselho Regional de Farmácia do estado de São Paulo.

E-mail:

© 2015 - 2021 farmacêutico.com

O Site das Práticas Integrativas e Complementares

  • Facebook Social Icon